quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Jorge Palma - "Frágil"



 E que tal publicar a música mais óbvia do Jorge? Não me vou alongar em textos inúteis, até porque a minha vizinha de cima não gosta do bater do teclado. E eu tenho que respeitar a vida alheia. Digo-vos apenas que a minha estranha secretária não facilita no ranger que se quer invisível, e por isso as coisas se tornam mais complicadas e menos naturais. Eu estive num destes concertos do vídeo, depois de experimentar as coisas mais estranhas e curiosas num café/restaurante árabe. Cheguei tarde. Neste ano de 2007, acho que cheguei sempre tarde, e só arranjámos um lugar de ladecos nas galerias, porque encontrámos uns anjos sabedores. Isto de estar a escrever este post com o efeito do meu whisky preferido é bem capaz de ser uma boa forma de entender a vida do Jorge. Desculpem a sinceridade, mas tenho que me levantar daqui a pouco para ir trabalhar e espero não publicar algo de que me arrependa.
beijos & abraços.
O meu Whisky preferido!

Aqui fica a minha homenagem pacóvia ao Whisky de que mais gosto! Desculpem lá qualquer coisinha....

7 comentários:

  1. :)

    Tchim Tchim



    Com todo o respeito:)

    ResponderEliminar
  2. Deve ser bom mesmo, pois até a Rihanna faz referência a esse whisky em uma de suas músicas...

    ResponderEliminar
  3. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Recomeçar. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Olá Hugo!

    O teu texto está uma delícia! Continua a beber o teu whiskyzito preferido, porque o que é do gosto regala a vida!
    Mais logo virei ouvir o Jorge Palma.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Eu, com esta profícua idade, nunca bebi whisky...

    Às vezes também me sinto frágil, assim como que picada pelas abelhas e, não tendo ninguém que me diga encosta-te a mim, só quero que me deixem rir e pedir o meu dinheiro de volta ;)

    Levantar às 5 da manhã? Quando dormes? Só estes terráqueos para inventarem uma atrocidade destas!

    Bjis daqui da lua :)

    ResponderEliminar
  6. Hugo:
    Sinceramente acho que as fragilidades não melhoram com a bebida, mesmo sendo uma boa bebida ;)
    E vais trabalhar com essa "fragilidade" ? :D

    Adoro Jorge Palma como sabes!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Olá Hugo..bom eu não sou muito fã de whisky mas ao som de Jorge Palma qualquer bebida desce que é uma maravilha! bjs

    ResponderEliminar